Fazendo o fluxo de caixa da obra

Compartilhe nas redes!

Por Aldo Dórea Mattos
Imagine uma obra bem orçada, bem planejada e que tenha previsto 10% de lucro. Aos olhos de um analista incauto, parece que temos o melhor dos mundos: obra feita com dinheiro em caixa e resultado positivo do primeiro ao último mês. Mas não é bem assim que as coisas funcionam, porque a dinâmica da construção envolve dois aspectos que não podem ser subestimados:

  •          O fator tempo, isto é, como os serviços se situam ao longo dos meses;
  •          A forma como os serviços são pagos pela construtora (à vista, a prazo) e a defasagem entre esses desembolsos e o recebimento do dinheiro da medição pelo contratante.

Se você parar para pensar, na maioria das vezes o construtor financia a obra para seu contratante, pois gasta para fazer o serviço e somente depois é que recebe por esse serviço. É esse “descompasso” entre a saída e a entrada do dinheiro que precisam ser analisados pelo orçamentista e pela diretoria da empresa.
É por isso que não se pode confundir orçamento com fluxo de caixa. Enquanto o orçamento é uma posição estática, o fluxo de caixa (ou cash flow, inglês) refere-se ao fluxo do dinheiro no caixa da empresa, ou seja, ao montante de  dinheiro recebido e gasto por uma empresa durante um período de tempo definido.
O exemplo abaixo há de esclarecer como se obtém o fluxo de caixa de uma obra.
Seja uma obra hipotética que tem uma planilha de quatro serviços (A a D) e que tenha um custo direto orçado por 400 unidades monetárias e o custo indireto por 100. A Fig. 1 mostra este custo distribuído no tempo, ou seja, sob a forma de um cronograma.

Para passarmos de custo a venda, digamos que a empresa pretenda obter 100 de lucro, o que nos leva à Fig. 2, que é a Fig. 1 com indireto e lucro diluídos nos quatro serviços.

O cronograma da Fig. 2 é o que se chama de cronograma econômico, porque está levando em consideração o momento da execução do serviço (isto é, o fato gerador) e não o momento em que a construtor receberá o dinheiro. É, portanto, um cronograma feito por regime de competência e não por regime de caixa. Para passarmos de custo a venda, digamos que a empresa pretenda obter 100 de lucro, o que nos leva à Fig. 2, que é a Fig. 1 com indireto e lucro diluídos nos quatro serviços.
Como o que estamos buscando é o fluxo de caixa, precisamos agora verificar quando como a obra realmente gastará os 500 e quando como ela realmente receberá os 600. É aí que está o xis da questão da gestão financeira do contrato.
Suponhamos que nesta obra 50% do serviço seja desembolso no próprio mês de execução do serviço e que 50% seja desembolsado somente no mês seguinte. Esta não é uma premissa absurda: é o que acontece assumindo-se que a mão de obra corresponda à metade do custo do serviço, sendo paga no mesmo mês do serviço, que o construtor consiga negociar o pagamento do material para 30 dias. Desta forma, o cronograma de saída do dinheiro (desembolso) é o da Fig. 3. Note que ele vai até o mês 6. 

Vejamos agora quando entra dinheiro na conta do construtor. Para isso, precisamos de outra premissa: a medição é paga no mês seguinte ao da execução dos serviços. Com esta premissa, o momento de ingresso do dinheiro é, portanto, a Fig. 2 “empurrada” um mês para frente (Fig. 4). Como era de se esperar, essa tabela também tem seis meses.

O que nos resta agora é juntar todas as peças para obter o fluxo de caixa da obra, isto é, verificar mês a mês quanto entrou e quanto saiu e, assim, obter o movimento de caixa ao longo da obra. Basta olhar as Fig. 3 e 4:

  •          Mês 1 – a obra desembolsou 35 e teve 0 de ingresso, ficando portanto com saldo negativo de 35;
  •          Mês 2 – a obra desembolsou 90 e teve 75 de ingresso, o que dá uma posição de -15 no mês e saldo acumulado negativo de 50.

A Fig. 5 sintetiza os cálculos:

Agora transporte esse raciocínio para uma construtora que tem 10 obras dessa mesma natureza. A depender do estágio de cada obra, a defasagem entre o econômico e o financeiro pode levar a empresa à ruína. É como se diz lá em Sergipe: “vai morrer de fome com a boca cheia”.
Conclusão: embora a obra tenha sido bem orçada e dê um lucro de 100, ela só operará “no azul” após o 4º mês! Além disso, a obra alcançará uma posição de -50 no segundo mês. Será que a empresa consegue ficar com esse montante descoberto? Terá a empresa saúde financeira para isso? Precisará recorrer a empréstimos nada baratos?
Fonte: Blog Pini

Classifique nosso post post

Fique por dentro de tudo e não perca nada!

Preencha seu e-mail e receba na integra os próximos posts e conteúdos!

Compartilhe nas redes:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Veja também

Posts Relacionados

Saiba Como Se Destacarentre As Demais Imobiliarias Da Sua Regiao Agora Mesmo Blog - Contabilidade em Brasília

Como se destacar: o que fazer em sua imobiliária?

Saiba como se destacar entre as demais imobiliárias da sua região Conheça algumas técnicas que podem ser decisivas na hora de obter destaque em meio ao mercado imobiliário A busca por melhores estratégias e maneiras de aumentar as vendas, ou

Precisa de uma contabilidade que entende do seu negócio ?

Encontrou! clique no botão abaixo e fale conosco!

Recomendado só para você
Quando o assunto é contabilidade, há empresas que favorecem a…
Cresta Posts Box by CP
Back To Top